31 de Outubro de 2010

 

Hoje em dia fala-se muito do estado social, de como ele faz maravilhas, de como é o céu na terra. Ou então, de como está na bancarrota, de como é injusto, de como deve ser acabado.

 

Comete-se o erro de se considerar que só existe um tipo de estado social. O que é equivalente de dizermos que o estado social português é igual ao escandinavo, eficiente como este, justo como este, vigoroso com este.

 

Mas não. O nosso estado social é bem diferente.

 

O nosso estado social é o mesmo que obriga trabalhadores, que muitas vezes têm mais que um emprego, a pagar uma carga fiscal que é das maiores da Europa, para depois ir dar a quem não quer trabalhar, ou quem aje criminosamente mas impunemente.

 

O nosso estado social é aquele que se preocupa mais em dar a possibilidade ilimitada de uma jovem de abortar em vez de a responsabilizar pelos seus actos.

 

O nosso estado social é aquele que culpa os professores pela má educação das nossas crianças em vez de passar essa responsabilidade onde sempre devia estar, na família.

 

O nosso estado social é aquele que obriga empresas privadas, que criam emprego e riqueza, a pagar balúrdios em impostos, enquanto que os boy´s espalhados pelas milhares de empresas publicas, que prestam um péssimo serviço na larga maioria das vezes e só consomem riqueza, recebem vencimentos milionários.

 

O nosso estado social orgulha-se de um sistema nacional de saúde que obriga utentes a esperar meses por uma consulta oncológica e de enviar seus concidadãos a Cuba para receberem tratamento oftalmológico de qualidade.

 

O nosso estado social orgulha-se de formar cidadãos em fisico-quimica e biologia, não através de estudo, mas através das novas oportunidades em que um simples trabalho da wikipedia basta na maioria das vezes para ter 20.

 

O nosso estado social orgulha-se de ter um serviço de segurança social na bancarrota, em que políticos e gestores acumulam pensões milionárias enquanto existem milhares de pensionistas idosos a receberem menos que 300 euros e a viverem na pobreza.

 

O nosso estado social orgulha-se dos seus 2 milhões de pobres.

 

O nosso estado social orgulha-se das suas obras publicas que já devem mais ao exterior do que Portugal consegue pagar.

 

O nosso estado social orgulha-se de encurralar os seus mais pobres e as minorias em bairros sociais e depois admira-se que haja crime.

 

O nosso estado social orgulha-se de quando existem crimes paga mais o policia que o ladrão.

 

Este é o nosso estado social. Ao estado a que isto chegou!

 

Eu não acredito neste estado social. Chamam-me conservador por causa disto. Se o for por isso que seja! Aquilo em que verdadeiramente acredito é num estado social pequeno, que dê educação a todos mas que os responsabiliza também, que dê ajuda a quem precisa e não a quem queira, que ajude as empresas a criar riqueza para que depois a possa converter em justiça fiscal, que tenha uma carga fiscal adequada ao poder de compra, que respeite mais o policia que o criminoso, que  dê saúde de qualidade, que tenha uma segurança social, que assente numa economia de mercado flexível e liberalizada, que dê a liberdade de ser diferente mas sem interferir com qualquer tipo de dever!

 

Esse é o estado social que defendo. Sou conservador? Que seja. E com orgulho!

 

publicado por David Alexandre da Silva às 19:57

26 de Outubro de 2010

publicado por David Alexandre da Silva às 23:02

25 de Outubro de 2010

 

Ora bem, afinal quanto de energia renovável é que Portugal têm mesmo??

 

Tenho de responder a esta questão por ter não só ouvido elogios de Al Gore e Chavez, mas depois de ter ouvido o Próprio Sócrates dizer que Portugal tinha energia 60% renovável.....

 

Bem, vamos lá fazer os cálculos!

 

Portugal consome cerca de 25 369 985 Tep, sendo que aproveita 18 694 801 (Consumo final).  Destes, cerca de 4 216 104 são electricidade, dos quais 26% (com muita batota e apenas em Junho, depois de um tempo extremamente chuvoso, mas enfim!) são a nossa energia renovável.

 

Assim, 26% de 4 216 104 tep é 1096188 tep, logo, dos 18 694 801 tep esta energia representa apenas 6%!! Mais 10% de energia renovavel não hidrica dá cerca de 16%!

 

Sócrates: 60%

Realidade: 16%

 

Pois é... agora vejamos por exemplo, qual o sector que mais consome energia...

 

Nada mais nada menos que os transportes, com uma quantia de 37%! E que tal o consumo residencial, o mesmo em que o PNAEE fracassou (taxa de cumprimento de um vergonhoso 20%), que representa 17%! Só estes dois representam 54% do consumo total português, que poderia ser bastante melhor caso a eficiência fosse efectiva.

 

Já a electricidade representa cerca de 22%... E é nela que está todo o nosso investimento!

 

Mais alguém acredita que somos realmente os maiores nas renováveis?? Não querendo ser o Velho do restelo, a aposta é certa mas vai no sentido errado. Devemos primeiro apostar num sector de transportes sustentável (não so no eléctrico mas igualmente no híbrido e biocombustíveis, sem esquecer o ordenamento do território tão necessário!) e investir a toda a força num PNAEE, mais ambicioso e mais forte!

 

Paremos com as demagogias e comecemos a fazer as contas!

publicado por David Alexandre da Silva às 22:34

06 de Outubro de 2010

 

Os últimos dias antes do Orçamento provam-se bem frios. O ambiente de cortar à faca caiu numa verdadeira crise politica.

 

Todos sabemos o que se passou: Passos Coelho ameaçou não aprovar o Orçamento caso este aumentasse impostos, decerto motivado por alguns dentro do PSD, Sócrates pediu ajuda à OCDE e rapidamente avançou com o pacto "Sócrates", com cortes na despesa, chulice da PT e aumentos dos impostos.

 

Agora o PSD está entre a espada e a parede, com a sua ala Cavaquista, a União Europeia e o Presidente da República a pedirem estabilidade, mas com o aumento de impostos a obrigarem-no a cumprir a sua palavra. A abstenção é previsível.

 

Bem, tanto de um lado como de outro é so estratégia politica. Passos avança com a ameaça de Chumbo, Socrates avança com o Pacote Socrates, Passos avança com o site para cortar despesa, Socrates avança com uma antecipação do Orçamento. E no meio disto tudo, onde está o País?

 

Eu percebo o meu líder. E ele tem razão quando diz que este orçamento e este pacote são maus. Aliás, não é preciso ser economista para perceber isso:

 

  • Ficamos destinados, diga o que diga o mentiroso Sócrates, a pagar as reformas dos funcionários da PT. Quer dizer, mas alguém acredita que a PT simplesmente quis dar por caridade 2 mil milhões de euros ao Governo?
  • O aumento de Impostos vai levar, quase que certamente, a uma redução paradoxal da receita. Ou não vamos esquecer que em 2010, com uma carga fiscal maior do que em 2008 a receita foi inferior.
  • Com a diminuição da despesa e cortes nas ajudas, num pais subsidio-dependente e desolado pelo desemprego a pobreza vai certamente aumentar, bem como o próprio desemprego.

Mas estes jogos não são saudáveis para uma economia. Os mercados estão a ver-nos, e certamente não podemos estar constantemente a ameaçar fazer cair o governo. Mas que fique bem claro, caso caia o Governo, Sócrates muito provavelmente voltará a vencer. E mesmo que ganhe Passos Coelho, será sem Maioria absoluta.

 

E se assim for, ficaremos melhor? Será que vale a pena fazer cair agora o Governo?

 

 

PS (D): No meio disto tudo, quem é a verdadeira vencedora sei eu quem é! Foi uma Péssima líder (eu que o diga) mas que tinha razão tinha!

 

publicado por David Alexandre da Silva às 21:39

03 de Outubro de 2010

Podemos claramente observar um aumento das temperaturas médias, a larga maioria atingindo os 3,5º de aumento.  Este aumento é devido a um El Nino muito quente e fora do normal!

 

Se esta tendência se verificar (os outros meses apresentam gráficos semelhantes, á excepção de Maio que apresenta um gráfico practicamente dentro dos normais), é clara a sua correlação com um aumento de temperaturas que se verifica a nivel global.

publicado por David Alexandre da Silva às 15:16

02 de Outubro de 2010

 

No dia nacional da água nós temos de nos perguntar: como vai a gestão dos nossos recursos Hídricos?

 

Antes de mais, partimos de uma das piores noticias, Portugal tem a sexta pior pegada hidrica do mundo. O que quer dizer isto? Quer dizer que desperdicamos água como se fossemos um país rico. E não somos! E pior ainda é saber que 67% dessa água é importada, ou seja, importamos produtos que gastam água aos balurdios, pelo que contribuimos para a escassez da água noutros países!

 

Depois, o nosso sector das águas é uma lastima, e está a meros anos que estar financeiramente na bancarrota. Os nossos tarifários são inadequados, muitas vezes correspondendo apenas a 40% do que custa extrair e transportar a água consumida. Fala-se em aumentar os preços da água, mas isso nenhum politico tem coragem.

 

Para verem como a água está barata, nós gastamos o dobro do que gastamos com a água em tv cabo, e o quadruplo em telémovel! So que existe uma diferença: sem água, a civilização pára.

 

E sei o que estão a pensar, lá está mais um alarmista a mandar faiscas ao ar! O problema é que muitos paises estão hoje a entrar na chamada guerra da água, que é já chamada de novo petróleo!!

 

É preciso mudar! E a primeira coisa que temos de mudar é como vemos a propria água. É que continuamos a ver a agua como um bem publico, o que é errado! A água é um bem comum, ou seja, ao contrario de um bem publico, a sobre-exploração de um a este recurso vai prejudicar outro!

 

Como tal temos de perceber que esta condição implica uma gestão obrigatoriamente sustentavel, e como tal o preço da agua deve reflectir essa obrigação.

 

Depois temos de investir brutalmente na eficiencia hidrica! As perdas no transporte de água chega a atingir os 50%! Por cada dois litros que bebem os portugueses desperdicam 1!!

 

Em seguida temos de perder o preconceito contra a iniciativa privada no sector das águas. As concessões são uma boa maneira de reduzir custos e aumentar a produtividade neste sector publico!

 

E por fim, temos de obrigatoriamente aumentar o preço da água!!!

 

É claro que para fazer isto é preciso politicos com coragem! E não me parece que a Dulcinha a tenha, com o Socrates a respirar por cima dela!

publicado por David Alexandre da Silva às 23:25

30 de Setembro de 2010

 

... e eu vou vê-lo!

publicado por David Alexandre da Silva às 20:45

19 de Setembro de 2010

Vai fazer agora 2 anos que aceitei o convite para ser Vice-Presidente da JSD Oeiras. Ao olhar para trás no mandato de 2008 e 2010 há que fazer a contabilização do que fizémos. Aqui vai:

 

  1. Lançamento do novo logotipo.
  2. Lançamento do Blogue, http://jsdoeiras.blogspot.com/.
  3. Lançamento do Site, http://www.jsdoeiras.com/.
  4. Lançamento doperfil no  Facebook, http://www.facebook.com/#!/profile.php?id=100000714546355&ref=ts.
  5. Lançamento da Newslleter mensal, que desde então sai todos os meses.
  6. Debate sobre Ambiente, "Pensar Verde", com Carlos Pimenta
  7. Debate sobre Energia Nuclear, o agora histórico Pimenta vs Sampaio Nunes
  8. Apresentação da Moção sobre Alterações climáticas no Conselho distrital.
  9. Participação em TODOS os dias nas campanhas autarquicas e legislativas.
  10. Debate sobre Economia, com Miguel Frasquilho.
  11. Debate sobre Acção Social, com os representantes do Portugal Social.
  12. Festa de Natal com distribuição de prendas no Bairro dos Navegadores.
  13. Debate sobre Politicas de Juventude com Pedro Pinto.
  14. Magusto de solidariedade no Bairro Sá Carneiro.
  15. Festa de Halloween.
  16. Acção de Formação sobre a União Europeia, com Isabel Meirelles.
  17. Videos de sensibilização Ambiental.
  18. Criação de um manual de estilos de vida sustentáveis, "Pensar Verde"
  19. Participação em todos os congressos e conselhos distritais.
  20. Participação em todas as Universidades de Verão da JSD.
  21. Eleição de 1 vereador, 1 deputado de freguesia e 2 deputados municipais.
  22. Debate sobre 1º Emprego e empreendedorismo.
  23. Criação do Conselho de Escolas.
  24. Dinamização do Espaço Jota.
  25. Apoio as Associações de estudantes.
  26. Celebração do dia dos namorados.

E isto é apenas aquilo que me lembro. Sob a liderança do Presidente Ricardo Julio, que agora é vereador da juventude em Oeiras, do espirito inovador de Bernardo Maria, do intenso trabalho de Jorge Janeiro, e dos incomparáveis apoios de Gonçalo Azenha, Diogo Açafrão e Alexandre Poço, posso sem arrogância mas com orgulho dizer que fiz parte da equipa que deu à JSD Oeiras os seus anos dourados. Fomos apelidados de "Exemplo", nomeados por muitos como a secção mais dinâmica do país, entre outros titulos que ganhámos. Trabálhamos como tudo, e a nossa unica recompensa foi o de ver o nosso trabalho no terreno, e a diferença que fizémos a muitas pessoas. Trabalhámos para lá da simples politica, mas sempre com o concelho de Oeiras como prioridade.

 

Julgo que foi um bom mandato. E numa altura em que os politicos são tão vistos de lado julgo que o nosso curriculum fala por nós. Orgulho-me em ser desta JSD. Da jota de Oeiras.

 

Mas claro, ainda queremos fazer mais. Muito mais. E vamos fazer!

 

Porque, como diz um grande companheiro "Oeiras não pára nem pode parar!!"

publicado por David Alexandre da Silva às 23:16

09 de Setembro de 2010

 

Ficou famosa a campanha da greenpeace para "salvar" os chamados Tokyo Two, dois japoneses que roubaram carne de baleia em sinal de protesto contra a caça à baleia que vigora no Japão. Falharam pois os tribunais declararam-nos culpados e sentenciaram-nos a um ano de prisão.

 

Pois bem, será isto Justiça? Mas claro que é! Não é assim, quebrando-se a lei, que se defende o ambiente! Este tipo de Ecoterrorismo apenas serve para apelidar os ambientalistas de extremistas!

 

Claro que deviam de ser presos! Então o que acham se um destes marmanjos da Greenpeace vos entrasse na cozinha e se acorrentasse ao vosso esquentador em sinal da eficiência energética? Ou vos roubasse o caixote de lixo em sinal da reciclagem!?

 

Ambiente sim, mas assim não!

publicado por David Alexandre da Silva às 18:40

28 de Agosto de 2010

Com os discursos de Mangualde e Pontal a guerra fria entre Socrates e Passos Coelho, entre PS e PSD, está cavada.

 

No Pontal, Passos Coelho fez um discurso sólido e apaixonante com uma feroz critica a Socrates e ao Governo, deixando o aviso de que se este não reduzir a despesa o próximo orçamento não passa. Já Socrates retornou com um discurso feroz, que virou o bico ao prego ao colocar a batata quente do lado do PSD, relativamente à revisão constitucional.

 

Antes de mais, nem um nem outro fizeram um discurso adequado, pois Socrates passou ao lado das dificuldades da nação mas Passos Coelho não se apresentou como alternativa, resultando num discurso muito fechado para o partido.

 

Mas tenho de vir em defesa da proposta da revisão constitucional. Enquanto social-democrata de ideologia, devo dizer que acredito num estado social. Mas num verdadeiro estado social.

 

Ora acontece que este estado social que vivemos, e que o PS tanto defende, não é um estado social a sério, nem funcional, muito menos sustentável.

 

Que raio de estado social é este em que um homem rico que parte a cabeça não paga pelo tratamento, mas uma empregada de mesa que mal pode pagar a renda de casa tem de pagar balúrdios pelos medicamentos para as diabetes.

 

Ou em que morrem pessoas por não terem conseguido marcar vaga com o seu médico de familia? Ou em que portugueses tem de ser enviados para Cuba para receberem tratamento aos olhos que possam pagar?

 

Que estado social é este em que um desempregado recebe subsidio durante um ano mas uma dona de casa com dois filhos e dois empregos ve metade do seu salario ir para o estado? Ou em que milhares de idosos recebem reformas que não dão para alimenta-los durante uma semana, enquanto que certas pessoas ultrapassam os 5 dígitos?

 

Ou em que se fecham escolas ao desbarato não oferecendo sitio para alguns alunos ficarem? Ou em que alguem que tenha dinheiro possa ir estudar para qualquer faculdade ou escola enquanto que os mais desfavorecidos tem de se contentar com a mais proxima ou mais barata.

 

Que estado social é este? Eu digo-vos, é o estado social do PS. É este que eles tão fervorosamente defendem. O mesmo estado social que é sustentado pelos impostos de todos e que daqui a uns anos estará na falência. E é este estado social que o PSD quer não acabar, mas mudar!

 

Sim, mudar! Porque aquilo que o PS diz é MENTIRA! Ninguém no PSD quer acabar com o estado social. O que queremos fazer é muito simples: enquanto que o PS quer continuar com esta vergonha, fazendo com que tanto os mais desfavorecidos e os ricos paguem como se fossem pobres, o PSD quer que os desfavorecidos paguem enquanto desfavorecidos e que os ricos paguem enquanto ricos!

 

Daí a educação dever passar de tendencialmente gratuita para tendencialmente paga: para que quem possa pague e quem não pode tenha um serviço melhor e gratuito!

 

Daí a saúde dever passar de tendencialmente gratuita para tendencialmente paga: para que quem possa pague e quem não pode tenha um serviço melhor e gratuito!

 

Por isso sempre que ouvirem o PS ladrar sobre neoliberalismo pensem nisto. E lembrem-se que existe uma alternativa, uma mudança.

 

Essa mudança chama-se Pedro Passos Coelho. Essa Alternativa chama-se PSD. E existe um Portugal melhor. Há é que mudar!

publicado por David Alexandre da Silva às 01:54

pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
blogs SAPO